imgHomeh2
Obra De Ivan Ilich

Obra de Ivan Ilich

“Do sonho ao pesadelo” é a conferência a ser apresentada por Jean-Pierre Dupuy hoje, no Rio de Janeiro. Tratará, entre outros autores, de Ivan Illich, para quem o maior obstáculo ao progresso é o próprio progresso; por isso, a necessidade de uma sociedade sem escolas, hospitais, transportes públicos… assim como os conhecemos.

Consoante ao projeto social de Ilich, implantou-se a seguinte biblioteca digital: https://goo.gl/KJven1

Saudações,

AMANHÃ

Ao público do Rio de Janeiro:

Amanhã, haverá conferência. Trata-se de “Do sonho ao pesadelo”, a ser proferida pelo professor Jean-Pierre Dupuy.

Saudações,

Utopia, Hoje

Utopia, hoje

A conferência de hoje, no Rio de Janeiro, será proferida pelo professor Marcelo Jasmin, que assim sintetiza o que entende por utopia no contexto atual:

“O horizonte contemporâneo parece carregado de incerteza, e a sensação de impotência se mistura à ausência de uma direção definida para a história humana. No entanto, sabemos que grande parte daquilo que pareceu natural, necessário e inevitável a homens e mulheres de outras épocas mostrou-se contingente e sujeito à mudança ou ao desaparecimento. Ao mesmo tempo, o que pareceu estapafúrdio num tempo qualquer, pode vir a tornar-se senso comum, como uma república num grande território ou uma democracia de milhões de eleitores. Pensando nisso, talvez encontremos um lugar para revitalizar a potência utópica na sua tarefa de alimentar a imaginação e a esperança, e de abrir as brechas no mundo dos grandes mecanismos globais para que pensamento e ação possam significar outra coisa que tolice ou ingenuidade inócuas. O possível não pode prescindir da coragem da invenção, do ficcional, da imaginação. Talvez a utopia não seja hoje nem não-lugar, nem futuro realizável, mas uma instância permanente de crítica e imaginação que nos livra da naturalização do que há aí e agora.”

O Continente Que Espera

O continente que espera

“A América Latina gosta muito da palavra ‘esperança’. Agrada-nos que nos chamem ‘continente da esperança’. Os candidatos a deputados, a senadores, a presidentes se auto-intitulam ‘candidatos da esperança’.

Na realidade esta esperança é algo assim como o céu prometido, uma promessa de recompensa cujo cumprimento se adia. Adia-se para o próximo período legislativo, para o próximo ano ou para o próximo século.”

(Pablo Neruda)

Elementos

Para o professor Jorge Coli, que fala hoje no Rio de Janeiro, o cruzamento entre linguagens como cinema e urbanismo oferece um pouco do espírito utópico de uma época. E quanto ao que ela projeta para si mesma? Nesse sentido, a ficção científica é privilegiada, como o prova o seguinte trecho do filme “O quinto elemento”:

https://goo.gl/TaMNw0